Últimas notícias
Home / Notícias / Comissão de Saúde: Gestor da Santa Casa aponta diferença de R$ 1 milhão em medicamentos

Comissão de Saúde: Gestor da Santa Casa aponta diferença de R$ 1 milhão em medicamentos

A Comissão de Saúde da Câmara de Sorocaba, composta pelos vereadores Fernando Dini (PMDB), Izídio de Brito (PT) e Pastor Apolo (PSB) esteve reunida na tarde desta quarta-feira com o gestor da Santa Casa, Francisco Antônio Fernandes.

O gestor afirmou que vários setores do hospital passam por inventários e que na farmácia por exemplo, encontrou uma diferença de aproximadamente R$ 1 milhão. “O valor real de medicamentos a serem encontrados na farmácia era de R$ 2 milhões. No entanto, encontramos apenas R$ 1,1 milhão. O que houve foi o mau gerenciamento por parte da antiga administração”, diz.

Francisco também garantiu que fez cotações com três empresas para que seja feita a auditoria fiscal da Santa Casa. “Não encontramos irregularidades em documentos escritos, mas percebemos a realização de vários contratos verbais, que não tiveram a formalidade realizada, assim como avarias na parte de dados eletrônicos. Fizemos cópias dos dois servidores para que seja feita a análise detalhada de cada documento”, explica.

O gestor ainda explicou a situação da Casa Mata, que está sendo construída em anexo à Santa Casa. “Não temos o valor de quanto foi gasto para o começo das obras. O que conseguimos foi manter a doação do acelerador linear que será colocado em outra área já definida e que comporta com tranqüilidade o aparelho”, diz.

Francisco ainda cita que até o dia 31 de março, já deverá ter extinguido os atendimentos do convênio Santa Casa Saúde, passando o hospital a responder apenas pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

O gestor ainda disse que há uma defasagem para tratamento de pacientes com problema de próstata no hospital, que ultrapassa a média desejável de 60 dias. “Hoje, existem 90 pacientes na fila, mas que estão recebendo o primeiro tratamento, de hormônioterapia, que o mantém em tratamento.”

As equipes médicas, segundo Francisco, continuam sem receber o dinheiro atrasado, mas que trabalham para a continuidade do atendimento do hospital e aguardam pela assinatura de um TAC (Termo de Ajuste de Conduta), para que esse acerto seja feito.

O gestor ainda citou que a Santa Casa hoje atende com o dobro da capacidade no sistema SUS. “Fazemos 450 cirurgias e 160 partos, o que equivale ao dobro do que conseguíamos quando o sistema público dividia o espaço com o convênio. Nossa intenção é de, nos primeiros seis meses, terminar todo o levantamento e que uma possível OS seja estabelecida, com a determinação do prefeito Antônio Carlos Pannunzio, de qual modo de gestão deverá prevalecer”, diz. “Em 45 dias, gastamos R$ 4,5 milhões em atendimento. Um valor bem abaixo do que a antiga administração gastava em menos de um mês. É um avanço”, completa o gestor.

O membro da Comissão de Saúde, vereador Fernando Dini, afirmou que outros problemas precisam ser contornados, como a defasagem de leitos cirúrgicos para adultos, apontada pelo próprio gestor e o valor gasto com a Casa Mata. “Precisamos saber aonde e quanto foi investido para a construção desse prédio”, ressalta.

Já o presidente da Comissão, vereador Izídio de Brito, afirma que haverá reuniões mensais com o gestor da Santa Casa, para que o Poder Legislativo acompanhe de perto todo o trâmite da intervenção.

 

Veja também

Sorocaba registra saldo positivo de empregos pelo quinto mês

Desempenho em maio foi de 1.849 vagas abertas com carteira assinada, conforme dados do Caged ...

Deixe uma resposta