Home / Notícias / Campanha de vacinação contra a gripe será realizada em duas etapas

Campanha de vacinação contra a gripe será realizada em duas etapas

Segundo orientação da Coordenação de Vigilância Epidemiológica (CVE) do Estado de São Paulo, em Sorocaba a Campanha de Vacinação contra a Influenza (gripe) ocorrerá em duas etapas, para públicos distintos mais vulneráveis à doença que compõem os chamados grupos de risco. A ação terá início hoje, sábado (30), com a realização do chamado Dia “D”, ocasião em que todas as 31 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) vão operar, excepcionalmente, das 8h às 17h, para atendimento à demanda.

A Secretaria da Saúde (SES) de Sorocaba fez a solicitação de 150 mil doses, porém, recebeu da CVE 44.900 doses, ou seja, o equivalente a 32% do total. O público-alvo para receber a vacina em Sorocaba é DE aproximadamente 168 mil pessoas, sendo que a meta é imunizar 80% desse total. Uma nova grade de doses está prevista para ser repassada aos municípios a partir do dia 2 de maio. A campanha prossegue até 20 de maio, para proteger a população contra os vírus A/Califórnia (H1N1), A/Hong Kong (H3N2) e B/Brisbane.

“Esse fracionamento da entrega das doses e de atendimento ao público é uma estratégia do Estado e vale para todos os municípios do interior de São Paulo. As doses iniciais serão suficientes para o Dia ‘D’ e devem durar até o início da próxima semana”, destaca o secretário da Saúde, Francisco Fernandes. Isso, com base na procura em ação semelhante realizada em 2015, quando 15% do público-alvo foi imunizado no primeiro dia. “Desta vez temos como meta atingir o dobro disso, ou seja, 30%. Então, as doses que temos devem ser suficientes, inicialmente”, completa.

Etapas

Na primeira etapa da campanha, a partir deste sábado (30) serão vacinadas apenas as pessoas com 60 anos de idade ou mais, as crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade, indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto) e os profissionais de saúde que trabalham nos hospitais e unidades de pronto-atendimento público e privado, bem como nas UBSs.

A segunda fase começará no dia 9 de maio, quando a vacina estará liberada também às pessoas com comorbidades (portadores de doenças crônicas não transmissíveis), demais profissionais de saúde, detentos e funcionários do sistema prisional, além de jovens (de 12 a 21 anos de idade) sob medidas socioeducativas.

“A campanha vai priorizar somente esses públicos, porque são as pessoas com maior risco de internação, e até óbito, decorrentes de complicações em caso de contágio pela gripe. Para não haver falta de doses a que de fato precisa, vamos ser criteriosos na distribuição da vacina”, avisa o secretário. Neste sentido, para receber a vacina os pacientes crônicos terão que apresentar receita médica ou de identificação do medicamento usado em tratamento recente (no máximo há um ano da atual), no ato da aplicação.

O diretor da Área de Vigilância em Saúde da SES, Rafael Reinoso, orienta que o munícipe leve a carteira de vacinação no ato da imunização, para fixação do comprovante. Durante a campanha ainda haverá atualização da caderneta de vacinação das crianças, com oferta de outros tipos de vacinas que integram o calendário nacional de imunizações. “E só será liberada a imunização para outros públicos se houver sobra de doses, após a imunização de ao menos 80% dos grupos de risco”, frisa.

Crianças e acamados

A chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica (DVE) da SES, Renata Guida Caldeira, lembra que crianças de 6 meses a 8 anos que vão tomar a vacina pela primeira vez receberão dose dupla. A segunda será ministrada 30 dias após a primeira e estará disponível na UBS mais próxima. “Vamos garantir a reserva dessa segunda dose para esse público”.

No Dia “D” ainda haverá seis equipes volantes da SES, com 12 pessoas cada, para fazer o atendimento em domicílio de pacientes acamados e que não são assistidos pelo Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD) da Prefeitura, mas que se enquadram no primeiro grupo definido para a campanha. O primeiro prazo de adesão terminou nesta quinta-feira (28) e os demais interessados podem se inscrever até o dia 5 de maio nas UBSs para receberem a vacina no decorrer da campanha. Até o momento são 1.103 cadastrados, entre aqueles atendidos pelo SAD e os que não são beneficiados por esse serviço.

Casos

Conforme boletim epidemiológico divulgado na última quinta-feira (28) pela SES, Sorocaba tem 101 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) registrados em 2016. Destes, 97 estão no aguardo de resultado para constatar a causa, 03 tiveram causa não especificada e um refere-se a criança de 11 anos em que foi constatado o vírus Influenza A H1N1. Trata-se de moradora da região leste da cidade que apresenta várias comorbidades (fibrose cística, hipertensão pulmonar e diabetes), ficou internada no Hospital das Clínicas, em São Paulo, e já recebeu alta médica.

“A demora na confirmação é decorrente do Instituto Adolfo Lutz, na Capital, pois o procedimento é todo manual. Temos praticamente o dobro de casos de SRAGs registrados no ano passado na cidade, somando 54 e 12 mortes. Só que, naquela ocasião, não houve contágio por H1N1”, analisa o secretário da Saúde. Em 2016, o número de óbitos por SRAGs somam 09 (07 no aguardo de confirmação da causa e 02 não especificados).

Leitos

Ainda na última quinta-feira (28), em entrevista coletiva à imprensa, o secretário da Saúde confirmou que, a partir do dia 15 de maio, o número de leitos intermediários disponíveis para casos de emergência na Santa Casa de Sorocaba passará de 05 para 12. Já no Gpaci, a partir da mesma data, estarão disponíveis outros 08 leitos do tipo para emergências pediátricas.

“As instalações na Santa Casa estão sendo adaptadas e o contrato com o Gpaci será formalizado na próxima semana. Esses leitos servirão, inclusive, para atender pacientes de SRAGs e demais casos que necessitam de exames no paciente, para constatação de diagnósticos”, explica.

A chefe da DVE lembra que os casos de SRGAs são de notificação compulsória, ao contrário daqueles de Síndrome Gripal (SG). E recomenda à população que procure por atendimento na rede básica de saúde em caso de constatação de febre de início súbito, acompanhada de tosse e dor de garganta, e ainda dor muscular ou nas articulações. O tratamento clínico para Influenza é um só, independente do tipo do vírus, e normalmente feito à base de Oseltamivir (Tamiflu), disponível em todas as unidades de saúde da rede municipal, mediante prescrição médica.

 

Fonte: Secom

Foto: Secom/Assis Cavalcante

 

 

Veja também

Aprovado em 1ª votação, Projeto de Lei visa legalização de construções irregulares

Foi aprovado, por unanimidade, na Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Sorocaba, Projeto de Lei ...

Deixe uma resposta