Home / Notícias / Anvisa aprova medicamento inédito para doença rara

Anvisa aprova medicamento inédito para doença rara

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o Spinraza (nusinersena), primeiro medicamento disponível no país para o tratamento de atrofia muscular espinhal 5q (Ame). A doença genética é considerada rara, atinge um em cada 10.000 nascidos, e ataca o sistema nervoso causando uma degeneração de neurônios motores da coluna vertebral que impede que o paciente se mova e até mesmo respire.

O novo medicamento estabiliza a morte celular nos neurônios do cone anterior da medula e tem o potencia de impedir o avanço da doença. No Brasil, ele será comercializado pela Biogen Brasil Produtos Farmacêuticos Ltda, na forma de solução injetável e concentração de 2,4 mg/mL.

Em nota, a Anvisa afirmou que o processo de registro do medicamento recebeu prioridade de análise. Embora o Spinraza já seja aprovado nos Estados Unidos, Europa, Japão e Canadá, a avaliação da Anvisa é necessária, inclusive no que diz respeito a questões específicas e características da população brasileira.

“É um medicamento que muda a história da AME, dando uma possibilidade concreta de melhora significativa na qualidade de vida dos portadores dessa doença. Agora, a empresa tem a responsabilidade de oferecer o Spinraza a um preço justo, para que as pessoas possam ter acesso a ele rapidamente.”, ressaltou o diretor-presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa, na publicação.

A aprovação do medicamento no país era muito aguardada pelos familiares das crianças com essa condição já que, até o momento, a importação do medicamentos dos Estados Unidos para um ano de tratamento custava cerca de 3 milhões de reais. Sem a necessidade de compra no exterior, espera-se que remédio tenha um preço mais acessível.

Fonte: Veja

Check Also

Fernando Dini cobra fornecimento de merenda escolar durante suspensão das aulas devido à pandemia

A medida tem como objetivo atender crianças em situação de vulnerabilidade social, sem que elas ...

Deixe uma resposta